Número de divórcios cresce no Brasil

Amor verdadeiro existe, mas será que dura para sempre?

O último relatório do IBGE, divulgado no dia 4 de dezembro de 2019, mostra que o número de divórcios no Brasil aumentou 3,2% entre 2017 e 2018, passando de 373.216 para 385.246. Enquanto isso, o número de casamentos caiu, tendo uma redução de 1,6% com relação ao ano anterior.

A pesquisa também mostra uma redução na duração dos casamentos. Em 2008, os casamentos duravam, em média, 17 anos. Dez anos depois, em 2018, a média de duração era de 14 anos. A idade média para divórcio é de 43 anos para homens, e 40 anos para as mulheres.

Um levantamento do Colégio Notarial do Brasil mostra outros fatos curiosos sobre o divórcio no Brasil.

Agosto é o mês do ano com mais divórcios, registrando 34% mais separações do que janeiro, o mês com menos pedidos registrados. Curiosamente, os divórcios sempre aumentam no segundo semestre. As chances de uma pessoa se divorciar na segunda metade do ano são 16% maiores do que na primeira.

São Paulo é o estado com mais divórcios extrajudiciais do país, sendo responsável por um terço de todos os processos deste tipo no Brasil. O estado registra mais que o dobro de separações que Minas Gerais, o segundo lugar da lista.

Felizmente, 66% dos casais optam pelo divórcio amigável, sem que haja briga na justiça. Mesmo com filhos, boa parte dos casais busca a guarda compartilhada. Em 2018, 24% das sentenças de divórcio de casais com filhos menores tiveram guarda compartilhada, enquanto em 2014 este percentual era de 7,5%.

Mas por que há tantos divórcios?

Vários fatores podem influenciar no sucesso de um casamento. Um estudo publicado pela Universidade de Rutgers, nos Estados Unidos, mostra que pessoas que se casam na adolescência são três vezes mais propícias a se divorciarem quando comparado aos que se casam depois dos 30. As chances de divórcio também são três vezes maiores quando um dos cônjuges vem de famílias com pais divorciados. Além disso, pessoas que possuem nível de educação superior tem maior probabilidade de manter o casamento do que aqueles que não possuem, já que muitos optam por se dedicar à carreira e aos estudos ao invés do casamento.

Outro fator que explica o aumento no número de divórcios é a maior independência social e financeira. Hoje, divorciar-se não é mais motivo para vergonha. A mulher que não está feliz num casamento é livre para solicitar o divórcio, mesmo tendo filhos. Segundo dados do IBGE, as mulheres foram responsáveis por 70% dos pedidos de divórcios não consensuais em 2014.

Finalmente, o processo tornou-se menos burocrático, já que os casais que entram num consenso não precisam mais recorrer à justiça. Divórcios consensuais podem ser feitos no cartório, desde que o casal esteja de acordo e não tenha filhos menores de 18 anos. A taxa a ser paga é tabelada, mas pode variar de acordo com o estado ou município. Além disso, é necessária a contratação de um advogado para auxiliar no processo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Releated

Como amar novamente após o divórcio

Não é muito fácil passar por um divórcio emocionalmente laborioso: este doloroso procedimento deixa os preocupados confusos com a idéia de começar de novo por conta própria. A existência pós divórcio pode aparecer como uma busca incontável para posicionar os pés no chão e manter o sonho de novo. Cinco passos para superar o divórcio […]